domingo, 9 de fevereiro de 2014

A CERIMÔNIA DE INTEGRAÇÃO

Muito embora os jovens estejam no período introdutório, é conveniente lembrar que eles são membros da Tropa desde que nela ingressaram; desde esse momento, participam com todos os direitos do Conselho de Patrulha e da Assembléia de Tropa.
É a partir da Cerimônia de Integração, que marca o ingresso no Grupo Escoteiro, depois de um tempo em que conheceu e foi conhecido, é que o jovem passa a usar o o Lenço de Grupo. Caso ele faça no mesmo momento sua Cerimônia de Promessa, passará a usar também o o distintivo de Promessa.
Segundo o costume da Tropa, a Integração pode ser uma cerimônia bastante singela, realizada no início ou ao final de uma reunião da Tropa, ou um pouco mais elaborada, com a presença dos pais daquele a quem a Tropa está apresentando as boas vindas.
No nosso caso específico, em que estamos iniciando uma nova Tropa Escoteira, podemos pensar em fazer
46
desta cerimônia uma ocasião especial para o Grupo, realizando também a Cerimônia de Promessa dos jovens. Neste caso a festa assume proporções maiores, convidando-se, além dos familiares dos jovens, autoridades da entidade patrocinadora, dos diferentes níveis da UEB e da comunidade. O local da cerimônia será devidamente decorado, a entrega do lenço e de outros símbolos pode ser incluída em uma celebração e tudo termina com uma festa que comemora o crescimento do Grupo. Mas, mesmo quando vários jovens são participam de uma mesma cerimônia, sempre que possível recomenda-se que a Integração e Promessa sejam individuais.
Com a Cerimônia de Integração concluí-se o Período Introdutório, razão pela qual os jovens deverão receber os distintivos que caracterizam a Etapa de Progressão em que se encontram.

OBSERVAÇÃO 1 – É possível que, na data escolhida para as primeiras Integrações e Promessas dos membros juvenis, alguns dirigentes e escotistas já tenham feito as suas Promessas. Mas, em caso contrário, a cerimônia deve começar, rapidamente, com a Promessa dos adultos, até mesmo para que o Chefe da Tropa já tenha feito a sua promessa antes de receber a Promessa dos jovens.
OBSERVAÇÃO 2 - Pode ser que um jovem, ao fazer sua Integração ao Grupo, ainda não se sinta preparado para fazer a Promessa Escoteira, pedindo um tempo a mais para refletir sobre seu conteúdo. Isso pode acontecer, mas deve-se estabelecer um tempo naõ maior do que dois meses para isso, visto que é impossível fazer o Método Escoteiro funcionar sem a adesão à Lei e Promessa Escoteiras.

Texto extraído dos Primeiros meses de uma Tropa Escoteira - página 46

CERIMÔNIA DE PROMESSA

A Promessa é um compromisso voluntário de cumprir a Lei Escoteira e assumir seus deveres para com Deus, para com a Pátria e para com o Próximo. Faz isso diante de si mesmo, dos outros e de Deus.
Suas palavras e seus conceitos são simples e expressam esse compromisso em linguagem comum, tal como diria naturalmente um jovem, sem maiores floreios e sem expressões graves.
A Promessa é um oferecimento voluntário e não um juramento. Por meio da Promessa o jovem assumem livremente um compromisso, não renegam a nenhum direito e nem fazem um voto de caráter militar ou religioso.
O momento da Promessa é determinado pela conclusão de um estágio na Seção, quer a criança tenha vindo de outro Ramo, quer ela esteja ingressando no Movimento diretamente neste Ramo. O mais importante, entretanto, é que o jovem sinta-se preparado para assumir o compromisso.
A Promessa não se faz em um momento qualquer. É preciso que essa disposição do jovem, em assumir um compromisso, receba a importância merecida:

· criando um momento especial;
· um lugar apropriado;
· dedicando-se à sua preparação;
· informando com antecedência a diretoria do Grupo, a Seção, o jovem e seus pais;
· realizando uma cerimônia apropriada.

A cerimônia deve ser simples em lugar de solene. É uma verdadeira celebração em que a Seção festeja o fato de que mais um jovem está livremente disposto a assumir e levar a bom termo um compromisso. Para isso, alguns detalhes devem ser bem observados:

· A cerimônia não deve ser cheia de pompa nem demasiadamente formal.
· Não deve incluir rituais que a transformem em um rito de iniciação.
· Deve ser individual.
· Todos os envolvidos devem saber, com antecedência, o que farão a cada momento.

Cerimônia de Promessa em Tropas
A cerimônia de Promessa segue, de regra geral, os seguintes pontos:
Formados em “ferradura”, o Chefe da Seção informa a todos que um dos membros da Tropa fará a Promessa. O jovem já estará usando o traje ou uniforme escoteiro com todos os distintivos, com exceção do distintivo de Promessa.
Monitor da Patrulha é convidado para trazer até sua frente o jovem que fará a Promessa (citado, logicamente, pelo nome). O Monitor acompanha o jovem, parando cerca de um metro do Chefe, onde o jovem ficará, e coloca-se a um passo atrás.
O Chefe da Seção se referirá ao significado da Promessa e da Lei, perguntando ao jovem se ele está disposto a assumir o compromisso fazendo sua Promessa. Com a afirmativa do jovem, o chefe pede que todos façam o Sinal de Promessa, inclusive o jovem e ele próprio, e que o jovem expresse seu compromisso.. É claro que o jovem pode recitar o texto da Promessa sozinho, sem repetir, mas também pode, se form mais tranqüilizador, repetir após o escotista. Nesses casos o Chefe, para sua segurança, pode ter o texto escrito, em um pequeno pedaço de papel. Dirá com clareza cada parte da Promessa, que será repetido pelo jovem. Terminado, todos desfazem o Sinal de Promessa.
Feito isso, o Chefe dirá de sua convicção de que o jovem cumprirá o compromisso assumido, e entregará o distintivo de Promessa (que já pode estar pregado na camisa e coberto por um pedaço de papel ou pano, que será simplesmente retirado).
Caso o jovem que fez a Promessa ainda não tenha pertencido ao Movimento Escoteiro, o Chefe lhe dará as boas vindas à Fraternidade Mundial dos Escoteiros.
O Certificado da Promessa será mostrado pelo Chefe, e sua entrega será feita somente ao final da reunião, para evitar que seja dobrado, sujo ou amarrotado.
Os Pais e os demais escotistas cumprimentam o jovem. O Chefe solicita que o jovem se vire para a Seção e faça a saudação escoteira, que será prontamente correspondida, de forma vibrante.
O Monitor conduz o jovem até a Patrulha, onde ele será acolhido com alegria (manifestada pelos Grito de todas as Patrulha).

OBSERVAÇÃO SOBRE O SINAL DE PROMESSA:
O Sinal de Promessa é feito elevando-se a mão direita, formando o Sinal Escoteiro, à altura do ombro, com antebraço dobrado. Caso algum escoteiro esteja portando bastão, o passará para a mão esquerda e fará o Sinal de Promessa com a mão direita.
Sinal de Promessa é diferente de Saudação, que se faz, quando com as mãos livres, levando-se a mão direita à fronte, formando o Sinal Escoteiro. A Saudação com bastão se faz parado, com o bastão na vertical ao longo do corpo e seguro com a mão direita também estendida ao longo do corpo, e executando o Sinal Escoteiro com a mão esquerda, dobrando o braço na horizontal e levando-se a mão esquerda ao bastão, na altura do cotovelo direito.

Texto extraído dos Primeiros meses de uma Tropa Escoteira - página 67